>

14 fevereiro 2017

Voar, Voar, Voar!

The Jeffs from David Aldrich on Vimeo.

06 janeiro 2017

Por do Sol na Pedra Grande - Por Hugo Nani.

    
      
      

HUGO NANI cresceu frequentando a Pedra Grande;
Voou de parapente por alguns anos;
Atualmente, pratica apenas o surfing.



     Pedra Grande de Atibaia.

     Meca do voo livre no Estado de São Paulo. Um dos "Paraísos do Voo Livre" no mundo, numa tarde sem asa nem parapente no ar, sob um lindo por do Sol de Primavera!

   

VISTA NOROESTE






A SERRA DO JAPI DESPONTA NO HORIZONTE!











UMA HOMENAGEM AOS PRIMEIROS VOADORES? 




    

16 agosto 2015

"Tempo de Glória"!


Imagem Daqui.
 
     Mal sobre suas pernas se postara vigoroso, fazia dos braços asas. Corria  desembestado campina abaixo, transpondo valas e cupinzeiros! Obcecado pelas alturas!

     A alma inquieta saltava de seus sonhos. Ganhava sustentação sobre colinas, vales e riachos!

     Por vezes, árvores frondosas escaladas com competência, lhe acrescia referência de altura e o frescor da brisa lhe secava o suor!

     Enchia a pleno de ar os pulmões. Contemplava o horizonte!  Fingia flutuar!

     Muito tempo depois, dotado de asas sintéticas feitas com ossos de tubos ocos e penugem sedosa, ganhou os céus! Tocou as nuvens. Sentiu-se ave. Venerou o Altíssimo!

     Extasiado, planava distraído, repetidamente!

     Porém, o tempo de glória também é efêmero!

     Agora, as paisagens esculpidas eternamente em sua memória, extrapolam os limites do seu corpo  frágil!

     Sua alma hoje aprisionada, liberta-se do confinamento compulsório de uma vida contemplativa, melancólica, e voa sob um céu metafísico!

     "Posso ir além quando adquiro a capacidade de voar como águia e sonhar feito  criança". Robson F. de Brito.

25 junho 2015

Onde Nascem os Sonhos!




   
    Todos os seres humanos, nascem  com o instinto para voar!

     Em determinado momento da vida,  o impulso nativo lhe dará asas: reais ou
abstratas, congênitas ou adaptadas!

    É natural que o voo faça parte  dos sonhos do homem  e do cotidiano da sua existência neste planeta!

    É desnecessário descrever os feitos dos inumeráveis precursores da nossa história, que transformaram sonhos em realidades!

    Meu fascínio, certamente, foi o  mesmo que acalentou o sonho de  tantos outros, no  passado!

    Nascido e criado em contato direto com a natureza, meu sonho de voar pelos céus junto das aves, surgiu bem cedo!  Frequentemente,  deitado sobre a relva observava atentamente, os voos circulares de urubus e gaviões e ficava intrigado! Como eles subiam sem bater as asas e já próximo das nuvens, desapareciam no horizonte?
    
    Ainda adolescente, passei um mês de férias numa fazenda no alto da Serra da Mantiqueira, onde o acesso da base do morro até a sede só era possível a cavalo,  por trilhas. Meu tio - proprietário e também  grande predador da natureza -  transformou em carvão toda a mata que cobria a região em torno de um pico que se destacava na cordilheira!

     Em frente a casa da fazenda havia uma grande pedra. Sentado sobre ela, eu
passava  horas observando as aves que mergulhavam majestosamente sobre o precipício. Voavam para o vale à frente e desapareciam no fundo azul!  Meus olhos se fixavam sob aquelas asas.  Contemplava  o vale abaixo. A adrenalina anestesiava meus lábios e transpirava nas mãos!  Sentia o coração pulsar na garganta!  A sensação era inquietante!

      Muitos anos mais tarde, já com muitas horas de voo em asa delta, o saudoso amigo Yutaka Nacamura me dissera que havia uma estrada até o topo do Pico Agudo. Que quatro pilotos cariocas - de passagem por Santo Antonio do Pinhal - já haviam decolado daquele local.  Naquela mesma semana, logo pela manhã, fui conhecer o morro que tem mil metros de altura.  A ansiedade me inquietava!

    Uma espessa neblina encobria todo o vale!

    Armei minha asa enquanto o sol, lentamente, dissipava aquela cortina esbranquiçada! 

    Já com o sol aquecendo a terra, uma leve brisa começou a soprar do vale!

    À minha direita, o lugar onde antes havia a casa da fazenda do meu tio!  No horizonte, a Serra do Mar. Entre as serras, o Rio Paraíba do Sul e as cidades do grande vale!


    Corri para o abismo... Decolei!  Um bordo para a direita e sobrevoei por alguns instantes aquele lugar. Mal consegui ver a pedra sob a vegetação à sua volta. Não havia nem escombros da casa da antiga fazenda!

     Depois de voar por quase quarenta minutos, pousei próximo à estrada de acesso a Campos do Jordão.

Outros voos em diferentes épocas, foram mais demorados, porém, aquele primeiro, tornou-se inesquecível!

    Cada local de voo tem suas características e peculiaridades!  Para mim, aquele lugar sempre teve um especial encantamento!

    Lá,  os sonhos da minha infância se realizaram!

As imagens publicadas nesta postagem foram obtidas Aqui. Publicado originalmente no blog vitornani em 04 Mai 2012.



                                                                EVENTOS PROGRAMADOS

Open de Voo Livre em Brasília-DF em Agosto 2015.


                                       
       
27 Set 2015


Júlia Carolina da Cunha disse...
Bom dia!!! Li, deliciosamente, "Onde nascem os sonhos". Maravilha... Foi um incentivo para aprender a voar enquanto é tempo.... Obrigada!
Old Eagle disse...
Oi, Julia, bom dia! Que bom, que ajudou a despertar em você, o sonho de voar! Mas não espere muito, você sabe, o "tempo voa". E se resolver fazer esse esporte, faça-o com asa mesmo, ta? Obrigado pelo comentário. Abraços!
Celso Dias disse...
Caro amigo Dr. Nani,
Revivi parte de minha juventude e junto de você no Voo livre, com este seu relato de um sentimento vivido e realizado totalmente, realmente comovente!
Sentimos muito a sua falta no esporte, e espero que um dia ainda vamos nos encontrar e contar muita mentira como fazíamos nas rampas.

Abraço Celso Dias.
Old Eagle disse...
Gostei de seu comentário Celso! Obrigado. Acho que muitos da nossa época também realizaram os sonhos de menino. Bons voos!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...